• Tatiana Py Dutra

Eu quero é mocotó!

Ensopado tradicional do Rio Grande do Sul é um antídoto para os dias frios


Sim, faz frio em Brasília. Não como no Sul, mas como o Planalto Central tem muito descampado, no outono/inverno o vento gelado tem mais facilidade em chegar aos nossos ossos acostumados com o calor.


Pois então. A estação das chuvas parece que finalmente foi embora, e nas ultimas duas noites dormi de pijamas, meias e edredom. Que delícia.

Só faltou uma coisa: mocotó.


Para mim, não tem ensopado mais a cara do inverno e do calor interior necessário (e gorduroso) para combatê-lo, para aguentar, para encher o bucho com bucho e ser feliz. Com todo respeito a quem não gosta de mondongo (dobradinha), eu amo.


E vocês sabiam que o mocotó é um prato gaúcho? Eu sempre achei que fosse nordestino, mas segundo um texto do pesquisador Rodrigo Leitão, publicado no Facebook, o ensopado surgiu nas charqueadas, nas estâncias e estalagens.


“Os escravos, nas senzalas, ficavam sempre com as sobras do gado, do porco e das aves. E vem daí a tradição de se comer miúdos e partes menos nobres como pescoço, rabo, gorduras, orelhas, etc. Isso no Brasil Colônia e em todas as capitanias”, diz Leitão.

O prato é preparado com patas, tripas e mondongo do boi. A gordura do interior dos ossos interior é o tal mocotó, que, perceberam os negros escravizados, dava sustância para eles trabalharem. Pudera. O alimento é rico em gordura proteína e ferro.


“O fato relevante dessa receita é que depois que os escravos passaram a se alimentar de mocotó, caiu muito a morte de negros no trabalho. Naquela época, a lavoura era ainda mais exaustiva e tanto os escravos como os donos de engenho e fazendas, morriam cedo, por anemia e falta de proteína. As crianças também”, diz Leitão.

A queda na mortalidade infantil teria sido um atrativo para as mulheres dos fazendeiros levaram esse pato para a Casa Grande, nos idos do século 17. Foi o começo da popularização do prato para o qual muita gente vira a cara. Que heresia!


“Para fazer mocotó é preciso ter pata de boi, tripa grossa, mondongo, tomate, cheiro verde, feijão branco, linguiça fina, cebola, manjerona, pimenta verde, ovo cozido e azeitona. O boi, o mondongo e a tripa grossa têm ser bem limpos e postos em água, na véspera. A gordura que fica acumulada na superfície dessa água que ferveu as carnes também é utilizada para fazer o prato”, ensina Leitão.


Bem, chega de conversê. Como estamos de quarentena, sem dinheiro e com muita ousadia, que tal fazer esse prato em casa? Aí vai a receita, que é da dona Patrícia Miranda, no Tudo Gostoso. Cozinha em 90 minutos. A autora sugere comer com arroz branco. Eu dispenso.

Quem for corajos@, posta foto no Facebook ou no Instagram e marca o blog, por favor!


Mocotó completo


Ingredientes

  • 1 mocotó médio (cortado)

  • 1/2 kg de bucho (corte em tiras)

  • 1/2 kg de feijão branco

  • 2 linguiças calabresa (em rodelas)

  • Ingredientes

  • 200g de bacon (em cubos)

  • 300g de carne seca (em cubos)

  • 1/2kg de costela salgada (lavada e cortada entre os ossos)

  • 300g de lombo (em cubos)

  • 200g de azeitona verde

  • 2 cenouras grandes (em cubos)

  • 4 batatas grandes (em cubos)

  • 1 cabeça de alho (picado)

  • 1 cebola média (picada)

  • 1 tomate (picado)

  • 3 colheres de sopa de óleo

  • 2 colheres de sopa de extrato de tomate

  • Cheiro-verde (picado)

  • Sal a gosto

  • Pimenta-do-reino a gosto

  • 2 limões

  • 4 tabletes de caldo de bacon

Modo de preparo


  1. Limpe o mocotó e o bucho, passe limão e deixe reservado por 10 minutos

  2. Deixe o feijão de molho

  3. Escalde a carne seca, o lombo e a costela em uma panela por duas vezes

  4. Lave o mocotó e o bucho para tirar o limão. Coloque na panela de pressão com dois caldos de bacon, sal, cubra de água e leve ao fogo. Deixe por cerca de 40 minutos depois que ganhar pressão

  5. Em outra panela de pressão coloque o feijão e as carnes que foram escaldadas. Deixe por cerca de 40 minutos depois que ganhar pressão

  6. Em uma frigideira coloque o óleo, o alho e a cebola, mexa até dourar

  7. Misture a linguiça e o bacon, frite bem

  8. Escorra todo o caldo da panela do mocotó e do bucho

  9. Coloque o mocotó e o bucho na panela do feijão

  10. Coloque também os ingredientes da frigideira (escorra o óleo antes)

  11. Leve ao fogo com a panela destampada

  12. Acrescente a cenoura, quando começar a amolecer coloque a batata, o extrato de tomate, a azeitona, o tomate, o cheiro verde, os outros dois caldos de bacon e a pimenta-do-reino. Experimente para ver se está bom de sal. Se precisar acrescente

  13. Assim que a cenoura e a batata estiverem cozidos pode desligar o fogo

#mocotó #inverno

29 visualizações

© 2020 por BOA DE GARFO. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Ícone preto do Facebook
  • Ícone preto do Twitter
  • Ícone preto do Pinterest
  • Ícone preto do Instagram